Neste número:

  1. Geologia: o Quaternário
  2. Expedição bacia de Camamu
PHOENIX.gif (2667 bytes)

Ano 2

Número 15

Março 2000

Eremotherium laurillardi - uma preguiça gigante comum no Pleistoceno do Brasil (comprimento: cerca de 6 m). Coleção PUC-MG. Um mergulho no tempo geológico

A megafauna do Pleistoceno

A Fundação Paleontológica Phoenix realizou neste mês uma grande expedição de coleta fora dos estados de Sergipe e Alagoas. O tema de estudo escolhido foi o Albiano da bacia de Camamu. Maiores detalhes poderão ser vistos no item "Expedição bacia de Camamu".

Neste número encerramos a série sobre a história geológica simplificada da bacia de Sergipe-Alagoas. No próximo número iniciaremos uma nova série, contemplando os grupos fósseis que ocorrem nesta bacia.

No último capítulo, chegamos ao Quaternário. Este período foi marcado pelo surgimento do homem, pela extinção de grandes mamíferos e pelas últimas grandes glaciações que alteraram profundamente a história do nosso planeta.

Geologia: o Quaternário

Glaciacao.gif (4641 bytes)

A partir do início do Quaternário, a bacia de Sergipe-Alagoas e outras áreas da costa brasileira ficaram sujeitas essencialmente aos processo erosivos responsáveis pela configuração morfológica que podemos observar atualmente.

Neste período, individualizaram-se os estuários, os campos de dunas costeiros, as planícies fluviais e outras feições geomorfológicas. Variações relativas do nível do mar, associadas aos últimos períodos glaciais, causaram o avanço e o recuo da linha de costa, deixando como evidências desta movimentação algumas falésias esculpidas nos sedimentos continentais depositados durante o Terciário.

 

Distribuição esquemática simplificada da vegetação e dos campos de gelo e geleiras na América do Sul durante o último período glacial, há 24.000 anos (adaptado de George H. Michaels e Brian M. Fagan, 1998).

 

Embora tenham surgido no Triássico e tenham sido dominantes no Terciário, os mamíferos sofreram profundas mudanças durante o Quaternário. Ao final do Pleistoceno, este grupo sofreu grandes extinções de caráter global. Só na América do Sul, cerca de 46 gêneros de grandes mamíferos foram extintos.

As duas últimas grandes glaciações ocorridas há 78 mil e 24 mil anos tiveram, sem dúvida, um papel importante nestas extinções. A desestabilização dos habitats causada pelas acentuadas mudanças climáticas e a caça predatória praticada pelos nossos ancestrais são as hipóteses mais prováveis para explicar estas extinções.

Durante o Pleistoceno, a vegetação que cobria grande parte da América do Sul era dominada por gramíneas e arbustos. Savanas concentravam-se na porção central do continente, enquanto uma floresta tropical já se desenvolvia ao longo do vale do Amazonas.

Mastodonte.gif (17410 bytes)

O clima relativamente seco e árido forçava a concentração dos grupos animais ao redor de lagoas ou outros refúgios ecológicos, como as cavernas e grutas, onde as condições de temperatura e suprimento alimentar eram mais adequadas. E são exatamente nestes antigos refúgios que concentram-se hoje os achados de fósseis deste período. São comuns os gliptodontes (parecidos com tatus gigantes), mastodontes (de certo modo semelhantes aos atuais elefantes), eremotérios (um tipo de bicho-preguiça gigante), o Arctotherium (um tipo de urso) e o Smilodon, mais conhecido como tigre dentes-de-sabre, dentre outros.

Nos estados de Sergipe e Alagoas restos destes animais são encontrados principalmente na atual região semi-árida, em cacimbas ou pequenos açudes, que até hoje servem à população local.

Mammut americanus (Cuvier), do Holoceno de New York, EUA. Acervo do Senckenberg Museum, Frankfurt am Main, Alemanha (Foto: Wagner Souza Lima).

Expedição bacia de Camamu

Mais de 1000 km percorridos de carro, 20 horas de viagens em saveiros e até mesmo numa canoa, além de várias horas de caminhadas. Este é um balanço resumido da expedição que a fundação realizou no início do mês ao Cretáceo marinho da bacia de Camamu, situada no litoral centro-sul do Estado da Bahia. Participaram dos trabalhos Edilma de J. Andrade, Cynthia L. de C. Manso, Wagner Souza Lima e Aurivonele F. Lima, além de Murilo Marchioro, Anna Carolina M. de Oliveira, Giulia M. Marchioro e Nair Souza Lima.

Ilha Grande.gif (21561 bytes)

Afloramento da Formação Algodões na Ilha Grande, baía de Camamu, Bahia (Foto: banco de imagens da Fundação Paleontológica Phoenix).

Os abundantes afloramentos são de difícil acesso, principalmente por se encontrarem dispersos em várias ilhas na baía de Camamu e ao longo da península de Maraú. Foram também visitados afloramentos na ilha de Boipeba, a norte desta baía.

Um grande número de exemplares foi coletado, estando já em fase de estudo pela equipe da fundação. Aproveitando a oportunidade, foram feitas coletas também na seqüência mais basal da bacia, em sedimentos de provável idade jurássica.

Algodoes.gif (25413 bytes)

Afloramento da Formação Algodões na sua localidade-tipo, próximo ao povoado de Porto dos Algodões, na península de Maraú, Bahia (Foto: banco de imagens da Fundação Paleontológica Phoenix).

Anterior Acima Próximo

Anterior ] Acima ] Próximo ]